PsiquEaD

Av. Dr. Yojiro Takaoka, nº 4384 Lj. 17 CV 2070

Alphaville - Santana do Parnaíba

São Paulo, SP 

atendimento@psiquead.com.br

Tel: +55 11 9 9972 5959

Siga-nos:

  • Facebook - White Circle
  • LinkedIn - White Circle

© 2015 por Contenuti

February 12, 2019

Please reload

Posts Recentes

Desafio da nova paternidade

August 9, 2019

1/10
Please reload

Destaque

Encontro das águas: considerações sobre Arte, Psicanálise e Psicossomática.

 

Como observamos na Natureza, rios que se encontram ou desaguam no mar proporcionam variadas formas de junção, mais harmoniosas ou, pelo contrário, intensas e revoltas.

Encontros com obras de arte também nos provocam reações diversas: encantamento, atração, repulsa, indignação...  Há as que nos convidam a devanear, a brincar junto, que nos levam longe como um sonho mágico. Mas também há as que são duras, cruas, angustiantes. Não há como ficar indiferente.

 

 

                     William Turner, Snow Storm: Steam-Boat off a Harbour's Mouth, c. 1842

 

 

A Psicanálise, através de alguns artigos de Freud e de outros autores psicanalistas procurou analisar a arte tanto do ponto de vista do artista como do espectador. Maneiras de compreender a arte voltadas para o artista e seu mundo interno mostram que a obra de arte pode ser uma forma de expressão e elaboração de conflitos e desejos reprimidos do artista. Esta forma de compreensão da arte pela psicanálise liga-se a conceitos psicanalíticos como inconsciente, repressão, desejos, sexualidade entre outros; inclui também as vivências do artista e a época histórica em que viveu.

 

A possibilidade de reprodução no espectador do que o artista quis expressar é algo que se destaca ao nos voltarmos para o sentido da arte na vida daqueles que a apreciam ou simplesmente se deparam com ela; isto nos coloca frente ao vasto campo das identificações.

Outro aspecto importante a se considerar é que a Arte não pode ser desvinculada da criatividade. A criação artística pode ser uma forma de brincar sem perder de vista a realidade; pensar na criatividade dessa maneira traz a cena a noção de fantasia e sua importância na vida mental. 

 

Ligada às fantasias, observamos em Freud e em outros autores psicanalistas a ênfase na ideia da criação artística como uma sublimação, como uma possibilidade de canalizar para fins não sexuais os desejos reprimidos. Vista sob esse ângulo, a arte seria uma atividade representacional, como uma neurose bem conduzida, isto é, um núcleo neurótico que não geraria sintomas, mas criações artísticas das mais variadas formas.

 

Podemos dizer, de uma forma ampla, que ao abordar a arte enquanto forma de expressão de conflitos reprimidos, estamos em um campo representacional de compreensão ainda que seja um campo de imagens.

 

Mas podemos pensar na criação artística como uma válvula de escape de intensidades vividas, porém não representadas pela via mental da linguagem oral e do pensamento? Seriam então algumas expressões artísticas formas de descarregar os excessos vividos e não elaborados?  Freud no artigo “O Inquietante” (ou “O Estranho” - 1919) já esboça a ideia de angústias ligadas à compulsão à repetição; o que se repete está relacionado à pulsão de morte, aquém do representável. Mas, a repetição também busca a ligação, exige algum trabalho psíquico que possa dar conta desses excessos mesmo que isso nem sempre ocorra.

 

As imagens sensoriais presentes na Arte podem ter esse papel de tentar dar forma e contorno ao que está fora do campo representacional de maneira que, gradualmente, estas vivências se integrem ou não.

A Psicossomática Psicanalítica tem aqui uma contribuição importante a dar através de vários de seus conceitos sobre o funcionamento mental; a noção de procedimento auto calmante é um deles. A Action Painting, que tem em Jackson Pollock um de seus principais representantes, pode ilustrar esse conceito embora não elimine a questão da presença ou não de ligações psíquicas, o que seria indício de um esboço de trabalho representativo.

 

                                                         Jackson Pollock, Number 8, 1949

 

Não há dúvida que estamos diante de um campo de contornos incertos e mutáveis quando falamos de vivências excessivas e de sua liberação por vias predominantemente sensoriais e/ou motoras. Ressalta-se assim a importância fundamental da função psíquica diante de vivências intensas que a vida pode trazer.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Siga nos